Quinta de Nápoles recebe V edição do Concurso Tomate Coração de Boi do Douro

É um luxo de tomate. Para os habitantes do Douro e para os que lá se deslocam. Os saborosos tomates Coração de Boi das quintas e quintais do Douro e Trás-os-Montes voltam a concurso e à mesa dos restaurantes da região. O mais popular concurso de tomate coração de boi de Portugal está de regresso e promete mesa farta do fruto mais carnudo e suculento do verão.

O ano vai quente e seco e os pés de tomateiro crescem bonitos nas hortas das quintas do Douro vinhateiro e nos quintais familiares das gentes durienses e transmontanas. Os primeiros tomates à séria começam a aparecere vai valer a pena saboreá-los todo o mês de agosto nos restaurantes da região.

O momento alto da festa, esse, acontece quando o tomate do Douro vai a concurso. Este ano, a festa é na Quinta de Nápoles, do produtor dos vinhos Niepoort, dia 26 de agosto. O mais famoso concurso de tomate coração de boi de Portugal vai eleger o melhor dos melhores e fartar de sabor os apreciadores do fruto carnudo e suculento, visitantes e produtores de vinho e de tomate da região. 

Na sua VII edição, a Festa do Tomate Coração de Boi do Douro é um evento anual de valorização dos produtos autóctones da região vinhateira portuguesa Património da Humanidade e de Trás-os-Montes.

Quinta de Nápoles recebe V edição do Concurso Tomate Coração de Boi do Douro

Em apenas 6 anos, transformamos a época de produção do numa festa no Douro, atraindo à região um número cada vez maior de pessoas. A iniciativa centra-se no Tomate Coração de Boi do Douro, mas vai muito além disso. É também um momento de exaltação da região vinhateira nas suas múltiplas vertentes, promovendo o vinho, o território, o turismo, as gentes do Douro que aqui trabalham todos os dias e aqueles que, com visão, nele investem”, sublinha Celeste Pereira, líder da Greengrape | alltodouro e uma das mentoras do projeto.

Para Dirk Niepoort, que acolhe este ano a iniciativa, o Tomate Coração de Boi do Douro é “o melhor deste planeta, na mais incrível região vitivinícola do mundo”. Daniel Niepoort, sexta geração da Niepoort, segue o gosto do pai e reitera: “É para nós um orgulho poder receber os vários produtores e fãs incondicionais do Tomate na nossa casa, na Quinta de Nápoles”.

Para a prova do tomate em concurso, volta a reunir o júri de especialistas, chefes de cozinha de referência, enólogos, jornalistas e outros atores na área da gastronomia.

Como em todas as restantes edições, mantém-se o espírito festivo do concurso: terminado o apuramento do vencedor, pelas 18h30, tem lugar o jantar volante, animado por uma mesa de sabores locais e vinhos das quintas concorrentes.

Informal, festivo e envolvente, o concurso conta com a participação dos principais produtores de vinho das quintas do Douro. É itinerante, realizando-se todos os anos numa quinta do Douro diferente. As quatro edições realizadas aconteceram na Quinta Dona Matilde, Quinta de La Rosa, Quinta do Vallado e Quinta de Ventozelo.

A inscrição no jantar tem um custo de 50 euros. As inscrições são limitadas e requerem reserva e pagamento prévios via e-mail (greengrape@greengrape.pt). Convidam-se os participantes a trazer uma garrafa de vinho para partilhar.

Tomate nos restaurantes agosto todo

A par do concurso, e durante todo o mês de agosto, os restaurantes de referência da região do Douro aderem à Festa do Tomate Coração de Boi, incluindo nas suas ementas pratos inspirados no tomate. Entre os restaurantes aderentes está o DOC (Folgosa), o Bonfim 1896 (Quinta do Bomfim, Pinhão), o Pickles do hotel Six Senses Douro Valley (Lamego), O Lagar (Torre de Moncorvo), Taberna do Carró (Torre de Moncorvo), Bistrô and Terrace (Quinta do Tedo), Cais da Villa (Vila Real), Casa de Pasto Chaxoila (Vila Real), Cozinha da Clara (Quinta de La Rosa, Pinhão), Toca da Raposa (Ervedosa do Douro), Cais da Ferradosa (São João da Pesqueira), Cêpa Torta (Alijó), o Aneto & Table (Peso da Régua), Quinta do Portal (Sabrosa), Quinta da Pacheca (Lamego), Cantina de Ventozelo (Quinta de Ventozelo, S. João da Pesqueira), Castas e Pratos (Régua) e Flor de Sal (Mirandela).

Em todos, vai ser possível degustar o Tomate Coração de Boi em saladas ou em pratos especiais concebidos para esta quinzena. Na Toca da Raposa, por exemplo, a proposta é de um menu completo à volta dos sabores do tomate. A chefe de cozinha, D. Graça, propõe Tomate Coração de Boi em corte poveiro, flor de sal e azeite virgem extra, milhos de Tomate Coração de Boi, açorda de Tomate Coração de Boi e, para a sobremesa, doce extra de Tomate Coração de Boi com gelado de queijo de cabra.

A Quinta do Portal tem também uma proposta tentadora:Tomate Coração de boi em diferentes texturas com pargo assado em aromáticas e legumes. No restaurante O Lagar, são diversas as propostas: sopa de tomate, migas de tomate, doce de tomate.

Em todos os restaurantes vai ser possível degustar o fruto na sua plenitude de sabores, aromas, suculência e textura, numa simples salada de tomate com azeite e flor de sal.

Festa na aldeia

Em parceria com o Projeto Capella, a prova de tomate regressa, no dia 27 de agosto, a partir das 17h30, desta vez na capela barroca da aldeia de Arroios, Vila Real, onde vai ser possível também comprar Tomate Coração de Boi e outros produtos locais.

Aberta a todos e sem júri nem pontuações, a prova irá explorar a combinação do tomate com diferentes perfis de azeite e será coordenada pelo presidente do júri do concurso, Francisco Pavão, nome amplamente conhecido no setor do azeite e dos vinhos. Em modo de tempero, participa ainda nesta degustação Jorge Raiado, da Salmarim, empresa algarvia de sal marinho e um chefe de cozinha.

Terminada a prova, as portas da capela abrem para o largo da aldeia e para a XII edição do Mercadinho da Capella, um misto de festa, com animação e petiscos, porco no espeto, e venda de produtos das hortas locais, com destaque para o Tomate Coração de Boi do Douro.

A participação nesta prova é gratuita, mas aconselha-se reserva para greengrape@greengrape.pt.

Valorizar produtos autóctones

O Tomate Coração de Boi merece um concurso que lhe dê fama, até porque tem, no Douro, argumentos para tal vaidade. Muita luz e grandes amplitudes térmicas típicas da região reforçam as qualidades de textura carnuda, sabor intenso e suculência deste fruto com poucas sementes.

São estas virtudes naturais que motivaram a criação do concurso que começou por ser uma iniciativa de três amigos, Celeste Pereira, proprietária da empresa de comunicação e eventos Greengrape, Edgardo Pacheco, jornalista e atual curador do evento, e o produtor de vinhos Abílio Tavares da Silva, da Quinta de Foz Torto.

Não há volta a dar. Todas as regiões produzem bom tomate, mas nenhum chega aos calcanhares do Tomate Coração de Boi do Douro. Por quatro razões: primeiro, a conservação das sementes dos melhores frutos, que é uma prática com décadas no Douro; segundo, o solo xistoso é o terroir perfeito para a vida equilibrada da planta; terceiro, as temperaturas altas injetam doçura nos frutos; e quarto, as amplitudes térmicas são responsáveis pela textura firme dos frutos”, assegura Edgardo Pacheco, curador da Festa do Tomate. “O resto – o aromas e sabor -, isso só os deuses sabem. E a gente nem se mete nisso. De maneira que quem quiser perceber por que razão se vendem por aí uns tomates ditos coração de boi, desenxabidos, aborrachados e sem alma, dê um salto ao Douro por estes dias para sentir diferença. Sim, sim, tem mesmo que ir ao Douro porque o Tomate Coração de Boi do Douro viaja muito mal – outra partida dos tais deuses sabichões”, remata Edgardo Pacheco.