Segunda-feira, Novembro 28Bem vindo(a) #winelover 😀

White Christmas dá mote ao lançamento de novidades com a chancela Quinta do Pôpa

Com o Inverno a chegar e imbuída do espírito natalício, a duriense Quinta do Pôpaveste-se a rigor” para celebrar o Natal à mesa, local onde os seus vinhos reinam: pela elegância e equilíbrio entre acidez e frescura.

Ao bacalhau, iguaria tão tradicional e tipicamente eleita nesta época, vão juntar-se quatro estrelas em forma de néctares brancos: três são novas colheitas de DOC Douro – ‘Contos da Terra’ (2020), ‘Pôpa Unoaked’ (2020) e ‘Pôpa Black Edition’ (2019) – e o recentemente lançado ‘Pôpa Amphora branco 2018’.

White Christmas dá mote ao lançamento de novidades com a chancela Quinta do Pôpa
White Christmas dá mote ao lançamento de novidades com a chancela Quinta do Pôpa

Quatro bons motivos para sair da zona de conforto, consumindo bacalhau em diferentes confecções, da mais calorosa à mais harmoniosa e quente, e sempre regadas pelo ‘Quinta Pôpa Premium Azeite Virgem Extra’, feito com azeitonas do olival em modo de produção biológico dos Netos do Pôpa.   

Com um perfil gastronómico, apanágio de todo o portefólio de vinhos com assinatura da Quinta do Pôpa e, agora, do enólogo Carlos Raposo, o ‘Contos da Terra branco 2020’ (€5,75) é um vinho límpido e de cor amarelo muito claro.

No aroma ressalta a fruta branca, principalmente de caroço, como alperce e pêssego. Na boca, tem uma frescura e acidez que fazem salivar por mais e pedem, no compêndio de receitas de bacalhau falando, uma salada com grão e salsa. Com uvas da sub-região do Baixo Corgo, conjuga cinco castas, com predominância da Viosinho (30%), à qual se junta, em partes iguais de 20%, a Gouveio e a Arinto, e com 15% cada, Folgasão e Rabigato.

Para um bacalhau assado na brasa, acompanhado de uma generosa e colorida salada de pimentos, também eles assados, a Quinta do Pôpa sugere um dos seus vinhos da gama Selection, o ‘Pôpa Unoaked’ (€9,90) da colheita de 2020.

É um branco igualmente fresco e com a fruta enaltecida pelo estágio em inox. Com origem em vinhas com mais de 25 anos, as castas que o compõem são Viosinho (50%), Gouveio (25%), Folgasão (15%) e Rabigato (10%). Um branco cristalino e brilhante, amarelo-claro e com reflexos esverdeados, que exprime aromas muito focados de fruta madura, cítrica e pêra. No palato, tem uma amplitude que preenche, aliada a uma boa acidez sempre presente. O final é longo, a adivinhar potencial de envelhecimento.

A complexidade aumenta, no vinho e na comida, com um ‘Pôpa Black Edition branco 2018 (€14,20)’ a harmonizar com roupa velha, iguaria muitas vezes eleita no almoço de 25 de Dezembro, por ser feita com as sobras do bacalhau da noite de Natal.

Um branco que resulta de uma mistura de castas, plantadas em vinhas com mais de 20 anos e “aquecidas” por solos de granito. A vinificação é feita em lagar, com pisa a pé, e segue-se estágio em barrica. Um branco cristalino de cor amarelo palha, mais complexo e comprometido no aroma. Com várias layers, vai revelando aromas cítricos, fruta de caroço branca e madeira, bem casada com o vinho. Muito interessante e mais intelectual do que o anterior.  Na boca, impressiona de imediato, com uma explosão de sensações. Cheio e com garra, tem uma acidez marcante e um final de boca longo.

LEIA TAMBÉM:  AdegaMãe lança novas edições dos topo de gama AdegaMãe Terroir

Numa estreia para este Natal, o tradicional bacalhau cozido – ou confitado – com batatas, cenoura e couves, vai casar à mesa com o ‘Pôpa Amphora branco 2018’ (€29,90), uma novidade no portefólio da Quinta do Pôpa, mas que já tem um irmão mais novo na calha – ou na ânfora!

Feito no Douro, com uvas de Vinhas Velhas plantadas em altitude, segue os métodos antigos de vinificação, típicos dos vinhos de talha do Alentejo: maceração pré-fermentativa e fermentação com massas em ânfora, seguida de estágio em borras totais, com contacto liquido-película dentro da ânfora e estabilização natural. Estágio em ânfora com resina de pinho. É um vinho que se nota que é mais quente, que foi vindimado um pouco mais tarde e que tem mais extração, por isso mais potente e isto derivado também ao tempo que teve em contacto com as películas e com a sua oxigenação. Notas de fruta de caroço, de casca branca, tipo pêssego e alperce, assim como notas de mel, melaços e compota. Na boca, apresenta um ataque mais guloso e cheio, sendo mais volumoso que o seu antecessor e tem os amargos típicos dos vinhos que fazem maceração pelicular. Acaba longo com os amargos, que preferência o prolongamento de boca e o envelhecimento em garrafa.

Estes e outros vinhos da Quinta do Pôpa podem ser comprados em garrafeiras e lojas de Norte a Sul do país, mas também através do site www.quintadopopa.com, com vantagens caso se torne membro do Pôpa Friends Wine Club. Com uma pegada sustentável forte, os vinhos da Quinta do Pôpa primam por ser vegan friendly.