enoturismo Novinho em Folha opinião

Inovar no Enoturismo – Parte 2 (Resto do País)

Precisamente no dia em que se inicia a Conferência Mundial de Enoturismo, Ildefonso Martins olha para a oferta e a constante inovação nesta área, em várias regiões do país (depois de uma primeira abordagem ao norte do território).

Agosto é o mês nacional de férias, é um facto. Mas, na verdade, setembro não deixa de ser também ele bastante relevante para o Turismo, pelo menos no que ao vinho diz respeito.

É por esta altura do ano que se realizam as vindimas na maior parte das regiões vitivinícolas do nosso país, e por isso é também este o momento em que muitas empresas do setor têm o seu pico de visitas e de programas para Enoturistas.

Não é por isso de espantar que só nas últimas duas semanas o Marketing de Vinhos tenha 14 notícias no separador “Enoturismo”, das quais 9 são sobre programas de vindimas.

Também não terá sido por acaso que a Organização Mundial de Turismo (uma agência especializada das Nações Unidas para a temática do Turismo) tenha escolhido os primeiros dias de setembro para realizar a sua 5ª Conferência Mundial de Enoturismo. Desta vez o local escolhido para a conferência foi Monsaraz

Curiosamente um dos painéis da conferência será “Wine pairs with Innovation” 😊

Fonte: http://business.turismodeportugal.pt/pt/Agenda/Eventos/Paginas/5th-unwto-global-conference-on-wine-tourism.aspx

Se no artigo do mês passado o foco foi na região Norte de Portugal, pois tem sido desde há vários anos o epicentro dos principais projetos ligados ao Enoturismo, nesta segunda parte do artigo o desafio (que não é assim tão grande quanto isso, tendo em conta a quantidade e qualidade de projetos que têm surgido em Portugal) é abordar o Enoturismo com características inovadoras noutras regiões do país.

E podemos começar precisamente pela região que irá acolher a 5ª Conferência Mundial de Enoturismo, o Alentejo.

Monsaraz
Fonte: https://marketingvinhos.com/2021/09/08/monsaraz-acolhe-5-a-conferencia-mundial-de-enoturismo/

Falar de Enoturismo no Alentejo, para mim, é falar de um evento que marcou a forma como as empresas abordam o Enoturismo “de massa”. Falo do Dia Grande do Esporão. Lançado há 6 anos este evento ainda é uma referência no sector pela forma como o “embrulho” foi criado, nesta ideia de um consumidor (ou um amigo, como eles preferem chamar a quem usufrui deste evento) poder passar dois dias a viver a vida de uma empresa de vinhos por dentro.

Infelizmente o evento não se realizou nos dois últimos anos, devido aos impactos que a COVID 19 teve em tudo o que são eventos com uma dimensão significativa, mas ainda assim pela inovação que trouxe no momento do seu lançamento continua a ser uma referência maior no sector. 

Herdade do Esporão
Fonte: https://diagrande.pt/

Na mesma região que o Esporão, também é de enaltecer o dinamismo da Fundação Eugénio de Almeida, produtor do EA e do Cartuxa. Depois da aposta recente em espetáculos musicais, com o EA Live, que este ano voltou a ser realizado, a Fundação aposta agora também na 7ª arte e traz um ciclo de cinema à cidade de Évora, com o nome de Cinema Paraíso.

Vinho e Arte sempre combinaram bem, e a FEA parece ter aqui uma excelente fórmula para dinamizar as suas marcas e atrair turistas à região do Alentejo.

Fonte: https://www.fea.pt/centrodearteecultura/7142-cinema-paraiso

Continuando pelo Alentejo, surge a proposta da Adega Mayor de tornar os clientes “Enólogos por um dia”.

Diria que esta iniciativa já não é muito inovadora para 2021, mas a possibilidade de ser enólogo tendo como pano de fundo uma adega desenvolvida por Siza Vieira, ganha toda uma outra dimensão.

Na mesma senda de tornar os consumidores em enólogos, mas com um conceito ainda mais desenvolvido, é a proposta do produtor algarvio Quinta dos Vales. O seu projeto “The Winemaker Experience” permite aos consumidores envolverem-se em todo o processo de produção, não apenas durante um dia mas pelo período todo que envolve a criação de um vinho (da vinha à garrafa).

Neste caso o Enoturismo confunde-se com um Hobby “luxuoso”, uma vez que no patamar mais elevado do projeto estamos a falar de valores entre 30.000€ a 60.000€, mas é sem dúvida um dos projetos mais inovadores a ligar os consumidores à produção de vinhos que surgiu nos últimos anos em Portugal.

Quinta dos Vales
Fonte: https://marketingvinhos.com/2021/01/05/quinta-dos-vales-torna-wine-lovers-em-wine-makers/

Uma outra excelente iniciativa de Enoturismo surgiu recentemente, vinda de vários produtores do Tejo, que se uniram para criar a “Tejo Wine Route 118”, uma espécie de “Estrada do Vinho”, junto à margem do rio que dá nome à região. O mais interessante aqui é que a estrada sempre existiu e estas empresas também sempre lá estiveram, mas foi o impulso do Enoturismo que levou à criação desta associação e à criação deste projeto, onde o mais inovador até estará na forma como a Rota poderá ser comunicada.

Este conceito parece ir “beber” a algo muito característico em Napa Valley, nos EUA, que é dar a possibilidade aos consumidores de, num só dia, numa só ida a um determinado local, poderem visitar inúmeras empresas produtoras de vinho e fazer as atividades que estas promovem.

É algo que se vê nos filmes, e que finalmente poderemos também experienciar em Portugal.  

Por último, algo que também parece saído dos filmes, neste caso mais de ficção científica, é a proposta da João Portugal Ramos, que permite fazer uma visita vitual de 360º à sua propriedade na região de Lisboa, Vila Santa.

Se estiverem numa de não sair de casa este fim de semana, já têm com que se entreter e acreditem que vão precisar de várias horas, como se tivessem ido ao local, para conseguir absorver todos os conteúdos que é possível visualizar ao navegar nesta viagem.

Fonte: https://www.jportugalramos.com/pt/visita-virtual/

Concluindo, há atividades para todos os gostos e de quase todos os locais. Desde o Tejo, a Lisboa, descendo até ao Alentejo e terminando no Algarve, há sempre boas propostas que se podem aproveitar para conhecer um pouco melhor o panorama de Enoturismo nacional.

É também muito positivo perceber que há um crescente dinamismo nos players do sector para apresentarem propostas inovadoras, e mesmo no tradicional “Programa de Vindimas” já não se faz apenas mais do mesmo, ou se repete a fórmula do passado. Há sempre alguns pormenores, alguns detalhes em que se tenta ir inovando e que vão comprovando que há muita vontade para fazer diferente, para fazer melhor no sector.

Haja (eno)turistas!

Inovadoramente vosso,

Ildefonso Martins

Diretor de Inovação e Estratégia da Aveleda

A opinião expressa neste artigo é da responsabilidade apenas do autor e não vincula a entidade à qual ele se encontra contratualmente ligado.