inovação Novinho em Folha opinião

SmartWine – Quando o Vinho vira Móvel

O mobile representa uma oportunidade única de comunicação e interação com os consumidores. Ildefonso Martins, no seu espaço de opinião, apresenta vários casos de sucesso, inovadores, pela forma como criaram aplicações interativas e lúdicas, de modo a aproximarem as marcas do seu público.

O tempo é, sem dúvida alguma, relativo.

O que hoje parece radical daqui por uns anos estará radicalmente implementado e até, eventualmente, ultrapassado.

Por exemplo, há 20 anos atrás, no ponto de vista das marcas, a grande dúvida na comunicação era: “precisamos mesmo de ter uma página nisso da internet?”

A importância da presença digital na vida das empresas e marcas

Há 10 anos atrás a questão já não era se devíamos ou não investir num website da marca/empresa (isso, mal ou bem, já tinha sido respondido afirmativamente), mas antes: “isso das redes sociais também é para as marcas?

Hoje a questão que se coloca, e que se torna cada vez mais premente, com a crescente saturação das redes sociais, é acima de tudo: “quanto tempo mais vão as marcas precisar para perceber que têm de aproveitar o mobile para interagir com os seus consumidores?

Foi com este pensamento em mente que, há cerca de 1 ano, na Aveleda, nos propusemos a resolver esse desafio para a nossa principal marca: Casal Garcia.

A nossa resposta ganhou vida há menos de um mês, com o lançamento do aplicativo “Casal Garcia Crush”, um “mobile casual game”, que pretende entreter os consumidores (atuais e novos) e divulgar todo o nosso portfolio de produtos da marca.

Quisemos ir um pouco mais longe neste projeto, e para além da componente de jogo incluímos também uma funcionalidade de realidade aumentada (tão na moda nos dias de hoje), que permite ganhar vidas e prolongar a experiência de jogo, e por isso, para além do lado lúdico do vídeo 3D em que as garrafas “ganham vida”, adicionámos uma vertente útil à AR.

Ainda é cedo para dizer se a App está a ser um sucesso ou não, mas os primeiros números são bastante encorajadores. Nas primeiras semanas tivemos mais de 10 mil downloads, que resultaram em 6 mil jogadores ativos, com 250 mil níveis jogados, e um tempo de jogo acumulado, na soma de todos os jogadores, superior a um ano. Na nossa perspetiva isto é muito tempo de contacto com a nossa marca e que mostra que tem havido um bom “engagement” com os consumidores/users.

Mas, experimentem por vocês, tirem as vossas próprias conclusões e partilhem comigo.

É só fazer o download aqui: https://www.casalgarcia.com/passatempos/casal-garcia-crush/

E #sigaaalegria!

No seguimento desse lançamento, trago 5 exemplos de outras ações feitas por marcas de vinhos, que nos inspiraram e nos levaram a tentar superar esses projetos:

1. 19 Crimes (App “Living Wine Labels” da Treasury Wine Estates com Realidade aumentada)

Esta foi a primeira aplicação que nos “abriu os olhos” para a imensidão de possibilidades que uma comunicação assente num ambiente digital de um smartphone poderia criar na ligação entre marcas e consumidores.

A aplicação Living Wine Labels permite scanar o rótulo de qualquer vinho da marca 19 Crimes, e ao fazê-lo um vídeo de realidade aumentada é ativado, com a personagem que está na frente do rótulo a contar a sua história ao consumidor.

Para a data (a app foi lançada no “longínquo” ano de 2017) foi no mínimo “mind-blowing” e o hype foi imediato. De tal forma que criou, entretanto, uma série de “copycats”, como o da versão portuguesa Live Wines Portugal.

2. Barefoot (projeto de Realidade Aumentada com Black Eyed Peas)

Ainda na lógica do uso da Realidade Aumentada surge o projeto da principal marca do mercado dos EUA, a Barefoot.

Numa associação com a banda Black Eyed Peas, esta marca criou uma experiência única de entretenimento. Neste caso, ao scannar o rótulo de Barefoot o consumidor teria acesso, na sua sala ou cozinha, a um espetáculo dos Black Eyed Peas através de realidade aumentada.

3. Apothic (parceria com a Shazam para animação de Realidade Aumentada)   

Um outro bom exemplo, dentro da mesma casa produtora que Barefoot (a E&J Gallo), é a Apothic.

O projeto desta “hot prospect brand” (das que tem tido maior crescimento nos últimos anos nos EUA) é um pouco mais sombrio, mas completamente enquadrado com a forma como a própria marca “Apothic” se projeta.

Nesta aplicação é-nos permitindo fazer uma visita virtual à cave Apothic, uma vez mais através de realidade aumentada, onde todos os vinhos são explicados aos consumidores, num mood mais intimista. 

4. Trivento (App DrinkAR com jogo mobile de “Penalty Shootout”)

Quando começámos o nosso projeto este foi o único exemplo que encontrámos, dentro do “mundo vínico”, de uma marca que estava a usar mobile casual gaming para interagir com os consumidores. No âmbito do patrocínio à MLS (e em particular à nova equipa de David Beckham, os Inter Miami) a marca Trivento, decidiu lançar um jogo de futebol para telemóvel.

Infelizmente a App não está disponível para o nosso país, e por isso não conseguimos testar o jogo, mas o “bichinho” ficou e ajudou-nos a criar o nosso próprio “mobile casual game”.

5. Frontera (uso de Spotify para acompanhar o consumo dos seus vinhos).

Para concluir, uma das ligações mais simples entre vinho e mobile, mas ao mesmo tempo, na minha opinião, das mais brilhantes.

O uso de tecnologia mais cara (como ainda é a realidade aumentada) é colocada neste caso de parte. Mas a ligação ao smartphone mantém-se, através de um aplicativo que todos (ou grande parte de nós) tem no seu telemóvel, o Spotify.

Tudo o que esta marca da Concha Y Toro (maior produtora chilena) fez foi criar uma série de listas de música no Spotify, que aconselha para fazer “pairing” com os seus vinhos, seguindo um estudo internacional que dá conta que a música ajuda a melhorar a experiência de consumo de vinho.

O investimento foram uns novos rótulos e alguém para escolher o melhor tipo de música para combinar com determinado perfil de vinho. É de génio e genialmente barato!

Nos últimos dias tem passado na televisão um anúncio muito interessante da Volvo, que apresenta o seu modelo XC 60 como mais inteligente (“Smarter everything” dizem eles em certo ponto do anúncio). 

Estará também o setor do vinho pronto para dar este passo, de ser mais “Smart” e começar a usar os Smartphones como principal meio para chegar aos consumidores?

Inovadoramente vosso,

Ildefonso Martins

Diretor de Inovação e Estratégia da Aveleda

A opinião expressa neste artigo é da responsabilidade apenas do autor e não vincula a entidade à qual ele se encontra contratualmente ligado.