distinção vinhos Vinhos do Tejo

Região dos Vinhos do Tejo tem o melhor branco monocasta do ano

‘Falcoaria Fernão Pires em Vinhas Velhas branco 2018’ foi o grande premiado.

Os vencedores da 8.ª edição do Concurso Vinhos de Portugal foram anunciados na passada sexta-feira, dia 21 de maio. Os Vinhos do Tejo estão de parabéns, ao verem o ‘Falcoaria Fernão Pires em Vinhas Velhas branco 2018’ alcançar um dos sete galardões maiores desta competição (O Melhor do Ano; O Melhor do Ano Licoroso; O Melhor do Ano Varietal Tinto; O Melhor do Ano Varietal Branco; O Melhor do Ano Vinho Tinto Blend; O Melhor do Ano Vinho Branco Blend; e O Melhor do Ano Espumante). Produzido pela bicentenária Quinta do Casal Branco, em Almeirim, foi eleito ‘O Melhor do Ano Varietal Branco’.

A somar a esta grande distinção, os Vinhos do Tejo destacaram-se por terem arrecadado quase 10% da totalidade das medalhas: foram premiados 419 vinhos, de um total de 1400 a concurso. Assim, entre os 40 vinhos medalhados, há um com ‘Grande Ouro’ (o grande vencedor do Casal Branco), 14 com ‘Ouro’ (três do Casal da Coelheira; dois da Adega do Cartaxo; dois do Casal Branco; dois da Falua, um da Adega Cooperativa de Almeirim; um da Casa Agrícola Rebelo Lopes; um da Enoport Wines; um da Quinta da Alorna; e um da Santos & Seixo Wines) e 25 com ‘Prata’.

Falcoaria Fernão Pires em Vinhas Velhas branco 2018
Falcoaria Fernão Pires em Vinhas Velhas branco 2018

É com muito agrado que Luís de Castro, presidente da Comissão Vitivinícola Regional do Tejo, vê a região do Tejo posicionar-se entre as mais premiadas, destacando a importância de ter um branco monocasta de Fernão Pires no topo do pódio. 

“Afinal, esta é a casta branca mais plantada em Portugal e a mais expressiva da região, na qual temos vindo a apostar em termos de promoção, cá dentro e lá fora. Sem prejuízo de outras castas, achamos que o foco em uma ou duas – Fernão Pires, nas brancas, e Castelão, nas tintas – permite alavancar a notoriedade da região, na qual a diversidade é amplamente aportada pelos três terroirs existentes: Bairro, Campo e Charneca.”, considera.

Para o ‘Falcoaria Fernão Pires em Vinhas Velhas branco 2018’ contribuem, como o nome indica, uvas de Fernão Pires, que têm a particularidade de terem origem numa só vinha, vinha essa com mais de 70 anos e, por isso, considerada “velha”.

Este é um branco com fermentação parcial e estágio em barricas novas e usadas de carvalho francês. Na cor, é citrino brilhante e, no nariz, evidencia notas cítricas e tropicais, harmonizadas com notas de tosta da madeira onde estagiou. Na boca, é marcadamente mineral e tem notas de salinidade, reflexo do terroir onde está a vinha: solos arenosos na Charneca. Destaque para uma boa integração da fruta com a madeira, suportada por uma óptima acidez natural, que lhe dá um grande equilíbrio e longevidade no estágio em garrafa.