distinção douro vinhos

Cinco tintos da Lavradores de Feitoria com pontuações entre os 92 e os 90 pontos

Vinhos da Lavradores de Feitoria, destacados pelo crítico norte-americano James Suckling.

Depois dos 93 pontos atribuídos ao ‘Meruge branco 2018, foi a vez do reputado crítico de norte-americano James Suckling – com 40 anos de provas dadas – provar (e aprovar) os tintos da Lavradores de Feiteira e os (bons) resultados estão à vista, em www.jamessuckling.com, e em sintonia com as respetivas gamas: ‘Lavradores de Feitoria tinto 2018’ com 90 pontos; ‘Três Bagos Reserva tinto 2017’ com 91 pontos; e ‘Meruge tinto 2017’, ‘Quinta da Costa das Aguaneiras tinto 2017’ e ‘Três Bagos Grande Escolha tinto 2016’ com 92 pontos.

Três Bagos Grande Escolha tinto 2016
Três Bagos Grande Escolha tinto 2016

O ‘Três Bagos Grande Escolha tinto 2016’ ainda não chegou ao mercado, mas este review faz prever uma performance ao nível da colheita de 2015 – atualmente no mercado; premiada com 19 pontos pelo crítico João Paulo Martins e primeiro no pódio dos tintos do Douro, pela revista Grandes Escolhas de novembro de 2019 – e de 2014, protagonista no mais famoso programa de vinhos do mundo, o The Wine Show, onde elegem o seu como o perfil que deve ser tido como o “futuro do Douro.

No palato, James Suckling encontra-lhe amora preta, cereja madura, preto e um toque de pimenta, também preta. Atribuiu-lhe bom corpo, com taninos finos, frescura e boa acidez; e descreve-o como um vinho polido e muito sedutor, que pode esperar até sair da cave – onde ainda permanece – da Lavradores de Feitoria.

Meruge tinto 2017
Meruge tinto 2017

Na opinião do crítico, o ‘Meruge tinto 2017’ (92 pontos) apresenta uma cor rubi pálida – um vermelho vivo e pouco profundo definido pela Lavradores de Feitoria, que tem neste o seu tinto mais elegante e fresco, numa versão bem distinta do Douro –, aromas de cerejas desidratadas, groselhas, pralinê, folhas secas e pot-pourri (pétalas de flores secas e especiarias). De corpo médio, tem taninos elegantes, frescura e boa acidez. Saboroso e suculento, tem notas de cogumelos e baunilha.

Quinta da Costa das Aguaneiras
Quinta da Costa das Aguaneiras

À semelhança do ‘Meruge’, o ‘Quinta da Costa das Aguaneiras’ provado por James Suckling é de 2017 e este deu-lhe 92 pontos. No seio da família Lavradores de Feitoria, é um vinho da gama Terroir, mas que em nada tem que ser com o primeiro. É um típico Douro, feito de Vinhas Velhas, Touriga Nacional de Tinta Roriz, que segundo Suckling tem aromas de ameixa preta, cereja, chocolate e um pouco de praliné. É um tinto encorpado, com taninos firmes e mastigáveis. Um vinho rico e polido, que está pronto a beber, mas fará furor a partir de 2022.

Três Bagos Reserva tinto 2017
Três Bagos Reserva tinto 2017

Com 91 pontos, o ‘Três Bagos Reserva tinto 2017’ apresenta aromas de amoras silvestres, violetas secas e azeitonas pretas, com notas de cogumelos e carne fumada. No palato, revela taninos firmes e elegantes integrados com uma boa acidez. De fazer água na boca, estamos perante um saboroso blend de Tinta Roriz, Touriga Nacional e Touriga Franca. Para beber já ou guardar.

Lavradores de Feitoria
Lavradores de Feitoria

Na gama de entrada da empresa duriense está o ‘Lavradores de Feitoria’, um vinho com uma excelente relação qualidade-preço, classificado por James Suckling com 90 pontos. Da colheita de 2018, é um tinto suculento e saboroso, com aromas a cereja preta, violetas, ervas secas e ostras. Tem um corpo médio, com taninos finos e firmes.