dão mercado

Compra da vinícola ‘Caminhos Cruzados’ dá origem ao ‘Grupo Terras e Terroir’

Vinícola do Dão junta-se à Quinta da Pacheca e à Quinta São José do Barrilário e dá origem à formação de um novo grupo empresarial ligado aos vinhos e enoturismo.
Adega Caminhos Cruzados – Dão

Os empresários Paulo Pereira e o casal Maria do Céu e Álvaro Lopes, acabam de investir num novo projeto, ligado ao mundo da vitivinicultura, com a aquisição da empresa Caminhos Cruzados, produtor de vinhos beirão sediado em Nelas.

Com este negócio os empresários fundam o Grupo Terras e Terroir, que passa também a integrar as durienses Quinta da Pacheca, em Lamego, e a Quinta de São José do Barrilário, em Armamar.

Vinha Caminhos Cruzados – Dão

Do Douro ao Dão, o mundo da viticultura já há alguns anos que se transformou numa das grandes paixões de Maria do Céu, do seu marido Álvaro Lopes, assim como do sócio Paulo Pereira, unidos pelos negócios desde 1999.

Depois de em 2012 terem adquirido a Quinta da Pacheca e em 2017 Quinta de São José do Barrilário, os empresários avançam agora para uma nova ‘viagem’.

Quinta da Pacheca – Douro

Temos uma real paixão por produtos de origem portuguesa e por tudo aquilo que é mais genuíno no nosso País, e uma dessas coisas é o vinho, secularmente ligado à nossa história e às nossas raízes”, referem os empresários, acrescentado que com o investimento feito agora na Caminhos Cruzados pretendemos criar sinergias entre as empresas do Grupo, bem como estender o nosso know-how económico e técnico a outras regiões do País, também elas afamadas pela qualidade dos seus vinhos e terroir”.

Com uma rede de distribuição bem montada e consolidada, quer a nível nacional quer no mercado externo, os proprietários do Grupo Terras e Terroir entendem que podem oferecer à Caminhos Cruzados “um modelo de gestão mais profissional, alguma folga financeira e um projeto integrado que vai fazer cimentar a posição das marcas no mercado”.

Vinho Caminhos Cruzados

Apesar da vertente mais economicista ter de estar presente, os empresários enfatizam que “sem paixão tudo é mais difícil e este, sendo negócio apetecível, representa também um desafio, já que queremos que continuem negócios familiares, com identidade própria, história, tradição, cultura e valores”.

Grande parte da atual equipa da Caminhos Cruzados, cerca de 15 pessoas no total, irá manter-se, pelo que a transição dar-se-á de forma fácil e sem constrangimentos de maior.

Temos uma história empresarial de partilha, de criar verdadeiras equipas e cedo percebemos que isso ia ser possível, onde para lá da competência das pessoas e do ambiente familiar há uma grande vontade de criar projetos inovadores, capazes de serem uma referência nas suas regiões”, acrescentam os já referidos empresários.

Grupo Terras e Terroir dá desta forma corpo empresarial à paixão que Paulo Pereira e o casal Maria do Céu e Álvaro Lopes sentem pelo fantástico mundo dos vinhos, das vinhas ou do enoturismo, uma paixão que se estende por várias regiões onde os néctares contam as histórias de um povo.

Vinho Quinta da Pacheca

Sempre acreditamos nas nossas empresas, na nossa gestão, nas nossas marcas, e, claro, na nossa equipa”, referem os administradores do Grupo Terras e Terroir que irão continuar atentos a novas oportunidades em outras regiões do País, onde os seus valores possam ser implementados e criar riqueza, respeitando sempre a genuinidade, as raízes e as tradições.

Por agora, vamos trabalhar para ajudar a dar à região do Dão o estatuto que merece, depositando no projeto ‘Caminhos Cruzados’, todo o nosso entusiasmo e saber”, concluem os administradores.