distinção douro Escolha do Editor vinhos

Proibido Grande Reserva 2017 é “delicioso e sensacional”

A revista “Robert Parker, Wine Advocate” acaba de destacar o Proibido Grande Reserva 2017, de Márcio Lopes, no TOP 100 das melhores descobertas vínicas no mundo, fazendo brilhar Portugal!
Proibido Grande Reserva 2017

Numa altura em que tanta falta faz uma boa notícia, eis que Portugal é distinguido pela qualidade vínica: Márcio Lopes conquistou todas as atenções com o seu Proibido Grande Reserva 2017. Os críticos de vinhos da equipa da revista “Robert Parker, Wine Advocate”, não hesitaram em colocá-lo no “TOP 100 Wine Discoveries” 2020, as melhores 100 descobertas vínicas entre as maiores regiões vinhateiras do mundo.

Para Mark Squires, reconhecido provador desta equipa, este vinho tinto DOC Douro é “delicioso e sensacional”. Para o enólogo e produtor, Márcio Lopes, e sua equipa, este é um dos maiores elogios que poderiam receber.

Márcio Lopes

Entre milhares de amostras de todo o mundo, a equipa de críticos especializados em vinhos da revista “Robert Parker, Wine Advocate”, selecionaram as 100 maiores descobertas de 2020, entre vinhos de todo o mundo, com origens em grandes regiões demarcadas. E o Douro foi distinguido com este prémio de excelência, entregue em exclusivo ao vinho tranquilo Proibido tinto Grande Reserva 2017, de Márcio Lopes, enólogo e produtor.

Esta extraordinária distinção foi atribuída numa das melhores cinco categorias consideradas pelos críticos: “Age-Worthy”, ou seja, vinhos que vale a pena investir para ter em cave. Comprovando, assim, a grande estrutura e potencial deste Proibido Grande Reserva 2017. As outras quatro categorias foram “Eco”, “Value”, “Non-Mainstream” e “Innovative.”

PACK BEST OF MÁRCIO LOPES

1 x Proibido Grande Reserva 2018 Tinto

1 x Proibido Marufo 2019 Tinto

1 x Proibido À Capela 2019 Tinto

Proibido Grande Reserva 2017 é um vinho DOC Douro, elaborado a partir de vinhas velhas com 40 a 80 anos, plantadas em Vila Nova de Foz Côa, entre 250 a 500 metros de altitude. As uvas nascem de uma terra árida, sofrida, de baixa produção, mas excelente qualidade.

Todo o trabalho é, praticamente, feito à mão, sem uso de herbicidas ou pesticidas. Quando necessário, lavramos a terra com a ajuda de um cavalo de trabalho. Respeitamos assim o que a vinha nos dá, e tentamos que a transformação das uvas em vinho seja o mais natural possível”, garante Márcio Lopes.

Proibido Grande Reserva 2017 – “TOP 100 Wine Discoveries”

Classificado com 95 pontos na escala de Robert Parker, por Mark Squires, o crítico começa por afirmar tratar-se de um “powerful red”, um tinto poderoso, que mantém a fruta bem definida e presente, revelando no sabor notas de fruta fresca. E não hesita em afirmar “It’s delicious and sensational” (é um vinho delicioso e sensacional), acrescentando que tem um grande potencial de envelhecimento em cave, no entanto, revela “I liked it on the first day. I swooned for it on the second day. There is a pretty good argument that it is the best wine I have ever seen from this increasingly fine producer”, o que em breves palavras significa que Mark Squires gostou do Proibido Grande Reserva 2017 no primeiro dia, apaixonou-se por ele no segundo dia e concluiu ser o melhor vinho que já provou de Márcio Lopes, considerando-o um produtor em clara ascensão. E remata: “It’s a beauty.”

Foram feitas 2500 garrafas de 0,75cl e 100 garrafas magnum (1,5L). O Proibido Grande Reserva 2017 ainda pode ser adquirido em garrafeiras e outros pontos de venda selecionados de Portugal e do mundo, estando esgotado no produtor. O preço recomendado de venda ao público é de 30 euros.

Márcio Lopes, enólogo e produtor do projeto Pequenos Rebentos (Vinho Verde) e Proibido (Douro) tem visto o seu trabalho (e da sua equipa) reconhecido ao longo do ano de 2020, acumulando prémios para os vinhos produzidos, mas também ao nível da carreira profissional, pois foi distinguido no início do ano com os prémios “Enólogo Revelação do Ano” e “Prémio Singularidade, pelas revistas especializadas.

Assim, no ano em que celebra 10 anos como produtor, e mantendo sempre o espírito de resiliência, empenho e muito trabalho, não só superou os fatores adversos consequentes da pandemia que assola o mundo, como conseguiu em pré-venda distribuir 80% de 90 mil garrafas, tendo um crescimento de cerca de 30% face a 2019, para tal contribuindo a abertura de novos mercados no mundo, pois atualmente os vinhos são exportados para 18 países.

A vindima de 2020 também foi desafiante, no entanto, Márcio Lopes orgulha-se de ter mantido o preço das uvas pago aos produtores e ainda ter acrescentado um bónus de 10%, também a equipa, atualmente constituída por sete elementos, vai receber uma percentagem dos lucros da empresa, que neste ano produziu 150 mil garrafas.

Márcio Lopes

Começamos há 10 anos e estamos a construir um caminho sólido, passo a passo, ganhando consistência, sabendo onde queremos chegar, preservando o melhor da natureza, criando vinhos que melhor expressem o terroir que lhes dá vida”.

Márcio Lopes

E Márcio Lopes assume-se um enólogo em busca da singularidade de cada vinha, de cada casta, de cada técnica de vinificação, ancestral ou não, sendo certo que o seu trabalho e da sua equipa só pode resultar em vinhos extraordinários, bons para beber já, mas ainda melhores quando bebidos passados alguns anos.

Comentário original de Mark Squires ao Proibido Grande Reserva 2017, classificado com 95 pontos na escala de Robert Parker e selecionado no “TOP 100 Wine Discoveries” 2020.

This powerful red has a lot of everything going on just now. As ripe as this is, the fruit still seems nicely defined and well supported. The intensity of flavor is another matter, however. This seems like newly crushed fruit. It’s delicious and sensational. Then, the hammer drops – the tannins just now are hard and make this a little difficult to read. It really showed far better the next day, when the tannins were pulled in and the wine fleshed out. It was still pretty intense but better integrated and much more drinkable. At that point, you could appreciate how fine it is. The fruit had a chance to assert itself, and it was very tasty. This seems to be the best in the brand so far. There is a lot of room for development in cellar – and it needs some developmental time. Let’s start here. But give it a couple of years, at least, in the cellar to come together – or a few hours of air. It will, in fact, be interesting to see how this develops over time. I liked it on the first day. I swooned for it on the second day. There is a pretty good argument that it is the best wine I have ever seen from this increasingly fine producer. It does have some questions to answer in the cellar. It must improve to justify my enthusiasm. At the moment, I feel compelled to lean up on it. It’s a beauty.”  (Mark Squires, in Robert Parker Wine Advocate, 2020)