dicas vinhos

Construir uma adega em casa – 10 dicas essenciais

Quer construir uma adega em casa, e não sabe por onde começar? Veja estas dicas, que preparámos para si.

Construir uma adega em casa é decerto um sonho para qualquer enólogo, sommelier ou simplesmente amante de um bom vinho.

Porque não aproveitar as suas potenciais remodelações domésticas para encontrar um espaço para uma adega em casa? Talvez a sua cave seja o espaço perfeito para começar esta nova atividade.

Esta é uma atividade que requer bastante precisão e conhecimentos, e por isso é necessário preparar o espaço com o devido cuidado. Para que esta adega caseira seja um sucesso, deixamos 10 dicas essenciais para qualquer aspirante a profissional ou amador na atividade do setor vitivinícola começar a construir este espaço:

1 – Espaço adequado para a preservação de vinhos

Construir uma adega em casa implica a criação de um espaço otimizado para o efeito. Quem pensa numa adega tradicional associa-a a um espaço escuro, fresco e acima de tudo com uma circulação de ar apropriada.

Para tornar o espaço o mais maximizado possível, e caso tenha a possibilidade financeira de o fazer, a bricolage da nova divisão poderá passar pela criação de uma adega climatizada, capaz de manter uma temperatura precisa, constante e com possibilidade constante de regulação.

Este tipo de mecanismo permite também conservar diferentes vinhos a temperaturas distintas. Adicionalmente controla a humidade e evita a criação de bolor. Contudo, a construção de uma adega em casa num espaço naturalmente escuro e frio (como uma cave) poderá servir a mesma função sem o custo adicional.

2 – Evitar a humanidade para um melhor produto

Regressamos à temática da humidade para reforçar a sua importância. O vinho é um produto volátil, apenas capaz de suportar pequenas variações de humidade. Uma humidade baixa pode levar a rolhas a secar e comprometer a qualidade do produto.

Por outro lado, uma humidade excessiva será também destrutiva, criando bolor e danificando também a cortiça. Assim, o vinho na sua adega em casa deverá ser preservado a uma humidade a rondar os 57% e nunca escapar da variação entre 50 e 70%.

A humidade pode ser evitada ou limitada através da instalação de sensores de humidade, combinados com uma ventilação apropriada, potencialmente com a instalação de equipamentos de extração como desumidificadores móveis, impermeabilização do espaço , entre outras opções.

3 – A iluminação é um elemento chave para uma adega em casa

A sua adega em casa terá de primar pela iluminação adequada para esta atividade. O ideal é minimizar a luz, pois uma presença excessiva de raios de luz natural ou artificial  terá um impacto no sabor e aroma do vinho.

É preciso ter especial atenção caso o vinho venha a ser armazenado durante mais de um ano. Assim, é prioritário evitar contacto direto com luzes fortes e diretas. A luz direta é capaz de destruir os componentes essenciais do vinho, especialmente quando falamos de vinhos mais claros.

4 – A temperatura deve estar sempre otimizada numa adega em casa

Não é surpreendente constatar que a nossa adega em casa não só deverá ter em conta humidade, luminosidade e ventilação como também temperatura. Esta deve manter-se entre os 7 e os 18 graus celsius para um armazenamento de longo prazo. Já para vinhos que envelhecem mediante um ritmo normal prevê-se uma temperatura no espaço entre 10 e 14 graus.

É imperativo garantir que quaisquer variações de temperatura não são demasiado súbitas, pois tal irá influenciar o processo de envelhecimento do vinho, acelerando-o.

5 – Organização e apresentação também contam

Garantidas as condições para o armazenamento de vinhos, impõem-se outras preocupações de uma natureza mais estética. Um colecionador de vinho irá querer contar uma história e organizar o espaço o melhor possível.

A sua adega em casa deverá ser minimalista, mas não é por isso que um ambiente perfeito não pode ser apelativo. Uma adega será, tendencialmente, um espaço funcional, acolhedor e de forma frequente rústico. Muitas vezes este será povoado por barris, madeiras antigas e metais envelhecidos.

Acima de tudo, um espaço limpo e desimpedido pode fazer maravilhas e tornar-se mais convidativo. Já por outro lado, a organização das garrafas também tem algo que se lhe diga. Estas podem, por exemplo, ser organizadas por região, variedades de uva ou ainda tipo de vinho.

6 – Um inventário sempre em dia

Ter uma adega em casa pode ser essencialmente um hobby, mas não é por isso que não tem o seu “Q” de potencial negócio. Porque não manter-se atualizado em relação às tendências do mercado e preços dos seus vinhos?

Acompanhar estas informações é também importante do ponto de vista do consumo, para que o vinho não envelheça para lá do prazo recomendado. Abrir uma garrafa com a idade recomendada é extremamente importante para garantir a frescura do seu conteúdo.

Outros aspetos a ter em conta no que toca a categorização passam por tomar conta das garrafas consumidas, de há quanto tempo estão a garrafas abertas e fazer notas sobre o consumo de um vinho.

7 – Uma boa garrafeira faz a diferença numa adega em casa

Armazenar vinho passa, obviamente, pela escolha das prateleiras mais apropriadas para o efeito. Estas deverão proporcionar o descanso perfeito às garrafas, para que as suas propriedades não se vejam afetadas enquanto repousam.

Em primeiro lugar um aspeto essencial passa por garantir que o local da adega em casa está livre de trepidação ou vibração. O vinho preciso de estar parado para envelhecer com estabilidade.

A madeira ou ferro resultam de igual forma, sendo a escolha entre um ou outro pessoal. É também essencial que as garrafas repousem na posição deitada para que o vinho se mantenha em contacto com a rolha, impedindo-a de secar. Caso contrário ar irá entrar na garrafa, acelerar a oxidação do vinho e transformá-lo em vinagre.

8 –  Um piso adequado para a sua adega em casa

Um piso adequado é também importante para a sua adega. Deverá optar por uma madeira maciça, de azulejo, vinil, pedra ou mármore e nunca colocar uma carpete no chão.

A carpete irá transportar-nos, uma vez mais, para o problema da humidade e criação de bolor, as quais deveremos evitar a todo o custo. Os fungos criados por este fenómeno irão comprometer a integridade do vinho.

Poderá também ser interessante investir num revestimento de chão próprio para adegas, capaz de simultaneamente decorar e proteger o espaço.

9 – É melhor prevenir do que remediar

Uma adega em casa compreende um investimento significativo. É útil e recomendável investir num sistema de segurança com alarme para prevenir assaltos.

É também astuto investir num seguro contra acidentes naturais e outros, para que a coleção de vinho esteja protegida contra diversas ameaças externas.

Dependendo da oferta em cada país e região uma política geral poderá em princípio proteger todas as garrafas avaliadas com o valor mais baixo. As garrafas mais caras poderão ser asseguradas de forma individual.

10 – Toque final com acessórios de primeira linha

É típico que uma adega em casa tenha também uma pequena sala ou canto de degustação onde o convívio tem lugar. Por isso, bons acessórios fazem toda a diferença.

Para melhor a sua experiência (e do seu grupo) procure ter acessórios essenciais, dos mais simples como saca-rolhas ou copos adequados a casa vinho mas também outros mais elaborados como decantadores, conta-gotas ou termómetros.

Se estiver a pensar em construir a sua própria adega em casa, tenha em conta todas estas variáveis. Caso esteja à procura de profissionais de confiança para cada uma das partes deste projeto – design de interiores, eletricidade, remodelações, bricolage, entre outros, pode contar com a plataforma online Zaask. Encontrará uma comunidade de profissionais com experiência e avaliações de anteriores clientes, em que pode confiar.