Lançamentos vinho do porto

Kopke lança a edição especial Colheita 1940 – White & Tawny

Pela primeira vez na história, é lançado em simultâneo um Colheita Branco e um Tawny do ano 1940. Um dueto especial que conta com mais de 80 anos de uma herança de saber e de paixão.
Zoom overview - evento digital “Uma viagem no tempo com a Kopke”
Zoom overview – evento digital “Uma viagem no tempo com a Kopke

Com um legado histórico de quase quatro séculos, a Kopke aliou a tradição à inovação e o resultado foi um evento digital, intitulado “Uma viagem no tempo com a Kopke” que contou com a presença de 37 grandes personalidades do vinho, de oito países que provaram, em primeira mão, dois Colheitas de 1940: um White e um Tawny.

Guardiã de uma livraria de vinhos muito antigos, incluindo os raros vinhos do Porto brancos, a Casa Kopke é reconhecida como especialista em Portos Colheita, verdadeiros tesouros revelados ao longo do tempo, que foram passando de geração em geração, disponibilizados em quantidades muito limitadas e apenas por encomenda.

Kopke 1940 pack
Kopke 1940 pack

Na realidade, trabalhar Vinhos do Porto Colheita obriga a um rigor e a uma precisão dificilmente quantificável. Aqui a arte do lote acaba por não ser menos preponderante que nos outros ramos da família dos tawnies. Por estar limitado a uma só colheita e por depender da excelência de um vinho base, que terá obrigatoriamente de ser extraordinário, as opções do enólogo são muito mais limitadas”, sublinha Carlos Alves, enólogo e master blender da Sogevinus.

Kopke 1940 white
Kopke 1940 white

O ano vitivinícola de 1940 é relembrado como um ano com muita chuva no inverno e na primavera. No entanto, o calor que se fez sentir no verão vários incêndios nos cultivos e nas vinhas. A colheita de 1940 é, portanto, uma raridade e extraordinária prova de que estes vinhos sobreviveram à passagem do tempo, guerras e revoluções para hoje serem apresentados ao mercado. Como enólogo e master blender é um orgulho fazer parte deste lançamento e poder ser o curador destes vinhos que atravessaram gerações.” – conclui.

Kopke 1940 tawny
Kopke 1940 tawny

No ano em que o mundo testemunhava um dos grandes acontecimentos históricos – II Grande Guerra – nasce este Kopke Porto Colheita 1940. No mesmo ano, a mais antiga Casa de Vinho do Porto alcança este reconhecimento por parte das Associações Comerciais do Porto e Lisboa.

Hoje, volvidos 80 anos, a Casa Kopke apresenta pela primeira vez um duo de Colheitas de 1940: o Colheita 1940 White e o Colheita 1940 Tawny.

Dois vinhos excecionais, cuidados ao longo de gerações com mestria dos provadores e respeito pelas práticas artesanais dos mestres tanoeiros e provadores que fazem destes vinhos verdadeiros sinais dos tempos, vinhos fascinantes com histórias para contar.

Kopke 1940 white
Kopke 1940 white

De tonalidade característica dos vinhos do Porto brancos envelhecidos por muitos anos em pipas, o perfil do Colheita White de 1940 assenta nas castas Viosinho, Gouveio, Rabigato e Malvasia Fina, “um verdadeiro ‘field blend’”, sublinhou João Belo, International Business Manager da Sogevinus.

O vinho apresenta aromas expressivos e intensos com notas cítricas, especiarias, cera de abelha e notas de fumo. Na boca é fresco, com sabores de xarope de citrinos, ameixa branca e avelã, com um final longo e consistente.

Kopke 1940 tawny
Kopke 1940 tawny

O seu par, o Colheita Tawny de 1940 é composto maioritariamente pelas castas Tinta Cão, Tinta Roriz, Touriga Nacional e demonstra abundantes aromas complexos de frutas secas, equilibrados com a expressão da madeira, notas de especiarias e também de café. Na boca, desenvolve-se em camadas complexas e termina com um final longo e texturizado.

Esta viagem no tempo com a Kopke, incluiu ainda a apresentação dos Colheitas Tawny 1980 e 1960 – dois vinhos que provam a consistência e frescura do estilo de uma Casa que se mantém com a passagem de décadas.

Kopke colheita 1980
Kopke colheita 1980

O Colheita de 1980 foi descrito por Jamie Goode como sendo “harmonioso, intenso e persistente”, “um vinho excitante”, sintetiza. Já João Paulo Martins enaltece que o vinho “tem um ótimo palato, é um prazer saboreá-lo.”

Kopke colheita 1960
Kopke colheita 1960

A propósito do 1960, Richard Mayson sublinhou que o vinho “é magnífico. É um trabalho de gerações que se destaca na perfeição.”

Quanto ao protagonista – o Colheita 1940 – Jancis Robinson descreveu esta prova como sendo “um verdadeiro regalo“; são “vinhos fantásticos, cuidados e preservados ao longo de gerações, que tornaram esta prova um momento inesquecível”, referiu Junior Vianna.

Veja o vídeo da apresentação:

Porque a história da Kopke escreve-se em vinhos extraordinários.

%d bloggers like this: