Adega vinhos verdes

Adega de Monção aumenta salário mínimo para €700

Este aumento representa o reconhecimento pelo desempenho e dedicação dos colaboradores da Adega de Monção.

A Adega de Monção fixou o salário mínimo para 2020 em €700, 10% acima do valor anunciado pelo Governo.

Este valor representa um aumento de cerca de 7,7% em relação a 2019, ano em que a Adega de Monção já tinha fixado o salário mínimo em €650. Esta medida tem efeitos retroativos a 1 janeiro de 2020.

O aumento do salário mínimo além do valor fixado pelo Governo integra um conjunto de benefícios que a Adega de Monção tem vindo a implementar no sentido de “contribuir para a satisfação global dos nossos colaboradores, bem como de recompensar os mesmos pelo excelente desempenho e dedicação”, destaca Armando Fontainhas, presidente da Direção.

A Adega de Monção conta atualmente com cerca de três dezenas de colaboradores.

Fundada em 1958, a Adega de Monção viu, nos últimos anos, a singularidade dos seus vinhos ser distinguida com mais de uma centena de galardões, entre eles Melhor Vinho Branco Português no concurso International Wine Challenge para Muralhas de Monção e medalhas de Ouro para o Alvarinho Deu La Deu no concurso Mundus Vini 2019.

A qualidade da matéria-prima, aliada à cuidada seleção das uvas e à mais moderna tecnologia, foram fatores essenciais para este reconhecimento em Portugal, mas também na Europa, África, Ásia, América do Norte e do Sul.

Responsável pela produção de vinhos tão célebres como o “Alvarinho Deu La Deu”, o “Muralhas” ou o “Adega de Monção”, esta instituição é hoje uma referência no Alto Minho, desempenhando um papel basilar na economia local e regional.