Quinta de Foz Torto lança novas colheitas

foz torto quinta 2.jpg

Dois tintos da colheita de 2016 com uma acidez muito equilibrada e excelente fruta e um branco de 2017, ano quente e seco no Douro, de vindima antecipada e vinhos delicados, com muita textura e profundidade. As novas colheitas Foz Torto confirmam que este projeto é já um caso incontornável no Douro.
O produtor da Quinta de Foz Torto, Abílio Tavares da Silva, queria “construir algo novo, especial, feito e pensado ao pormenor. Um espaço para produção de vinhos de elevada qualidade, mas também um local para ser vivido e fruído com calma. Para sentir os cheiros e aromas, provar as frutas e ‘degustar’ a paisagem”. Volvidos seis anos desde a primeira colheita colocada no mercado, o informático de Lisboa tem motivos para estar satisfeito: o projeto Foz Torto é uma boa história do Douro contemporâneo. E percebe-se o motivo. A quinta tem uma paisagem belíssima, o respeito pela tradição faz-se a par de uma viticultura e enologia modernas, com atenção aos detalhes e uma valorização do ecossistema como um todo, incluindo a horta de quinta, outro ex-libris Foz Torto. A este Douro físico, o produtor acrescenta afetos de um modo muito particular e intenso, não deixando ninguém indiferente. E, claro, apresenta vinhos de qualidade que costumam esgotar rapidamente, complexos, persistentes e profundos, que se vão mostrando melhor com o passar do tempo.

 

Paixão e oásis

Projeto de Abílio Tavares da Silva, o informático de Lisboa seduzido pelo Douro e entusiasta contagiante da região, a Quinta de Foz Torto é uma pequena propriedade, de 14 hectares. Está localizada na confluência dos rios Torto e Douro, junto ao Pinhão, num sítio de paisagem majestosa, desfile de socalcos e muros em xisto, dos 300 metros de altitude até ao rio.
Com exposição privilegiada a sul-ponte, a quinta de Abílio Tavares da Silva é também um pequeno oásis hortícola e exemplo de revitalização das típicas hortas das quintas do Douro, outra paixão do produtor que ali descobriu legumes e frutas de sabor excecional, entre os quais o tomate coração de boi.
A quinta produz igualmente azeite virgem extra Foz Torto desde 2015, cerca de mil garrafas por ano. Os vinhos Foz Torto têm a assinatura de Sandra Tavares da Silva, enóloga de percurso reconhecido, sendo a produção anual de 15 mil garrafas.

 

Novas edições

Volvidos seis anos desde a primeira colheita colocada no mercado, estão aí as novas edições Foz Torto a confirmar a complexidade e frescura dos vinhos do projeto.

Foz Torto Vinhas Velhas Branco 2017.png

Foz Torto Vinhas Velhas branco 2017 – O ano de 2017 foi muito quente e seco no Douro, com níveis de precipitação muito baixos e temperaturas em média mais altas do que anos anteriores. Por esta razão, a floração e todo o ciclo adiantou-se. A antecipação da vindima favoreceu a obtenção de vinhos delicados com muita textura e profundidade. O branco Foz Torto 2017 apresenta cor citrina e brilhante. Fino e vibrante, tem uma excelente textura, bom volume e intensa mineralidade. Produzido a partir de Vinhas Velhas que o projeto Foz Torto possui em Murça. PVP 20 euros.

Foz Torto Tinto 2016.png

Foz Torto tinto 2016 – Vinho de lote de sete castas diferentes, com predominância de Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Francisca e apontamentos de Tinta Roriz, Alicante Bouschet, Sousão e Tinta Barroca. Boa densidade de fruta, fino e com notas de fruta madura, mas fresca. Taninos aveludados e final equilibrado. PVP 13 euros.

Foz Torto Vinhas Velhas Tinto 2016.png

Foz Torto Vinhas Velhas tinto 2016 – Produzido a partir de uvas colhidas em Vinhas Velhas da Quinta de Foz Torto. Bonita cor, aroma elegante, acidez muito equilibrada e excelente fruta, proporcionados por um ano de 2016 com boa precipitação, verão quente e seco e boas maturações fenólicas nos meses de setembro e outubro. PVP 33 euros.

Advertisements

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.