cegos olfacto

Universidade da Rioja recebe contributo de cegos para melhorar vinho

A Universidade da Rioja, em Espanha, desenvolveu um projecto, em que pessoas com deficiência visual o seu contributo com vista a melhorar a qualidade do vinho da região. De acordo com o professor de enologia Gonzalo, os cegos conseguem detectar problemas nos que máquinas construídas para o efeito, não conseguem, ou não com tanta rapidez.
Para este professor, as pessoas cegas não têm um olfacto mais apurado que as restantes, simplesmente a sua concentração, uma vez que não dispõem de um dos sentidos, é bastante superior ao de uma pessoa sem esta deficiência.
O método foi descoberto por acaso, quando um professor convidou um amigo seu, cego, para uma prova de vinhos, e verificou que este definia os picos de intensidade de aroma muito antes e com mais detalhe que os processadores convencionais. Actualmente 2 turmas de cegos participam no processo de avaliação das características dos vinhos.
Os responsáveis têm como objectivo, que estas pessoas elaborem vinhos baseando-se nos processos químicos combinados com os seus instintos.
Avatar

Apaixonado por Comunicação e Marketing, com formação superior nas áreas de Relações Públicas e Publicidade, e especializações em Marketing de Vinhos, Marketing Digital, Social Media e Turismo. Qualificação em Vinhos WSET® (Wine & Spirit Education Trust).